Saint Siméon Farmhouse Inn, uma bela quinta com um magnífico passado artístico!

Era uma vez... uma bela quinta do século XVII, um local repleto de novas ideias e perspetivas. Por volta do ano 1840, vários jovens artistas residiram dentro destes muros ilustres. Graças à acolhedora receção da "Mãe Toutain", a responsável naquela altura, este grupo de jovens pintores, ávidos de natureza e do ar fresco do campo, produziu uma série de excecionais obras de arte, atualmente muito estimadas. Estes encontros extraordinários deram origem à famosa Escola impressionista de Honfleur, também conhecida como a Escola de Saint Siméon.

imagem Ciels - Eugène Boudin

Os pintores trabalharam sempre no exterior, nem que fosse apenas para proporcionar um palco para as suas representações. Eventualmente, alguém percebeu que uma paisagem podia ser pitoresca, digna de ser representada por si só e, assim, expressar a sensibilidade e a emoção do artista.

Este gosto pela natureza surgiu pela primeira vez com pintores ingleses, que vieram para o interior de França à procura de inspiração para sustentar o respetivo talento.

Mas, desde cedo, estes encontros de artistas seriam testemunhas de uma tendência que foi rapidamente ganhando força, nomeadamente, o amor pela arte pictórica ao ar livre.

Uma vista deslumbrante: o Estuário do Sena... O imenso e magnífico rio, o mar e os seus horizontes desiguais, uma névoa constante; uma imagem banhada por uma luminosidade oscilante, cores decompostas e nuvens que flutuam num azul claro ou no mais suave dos cinzentos, por vezes, cor de chumbo, sempre improvável. Rajadas de vento repentinas, o escoamento de aguaceiros repletos de luz, amarelos e ocres fluidos... A maravilha destas cenas imprevisíveis, procuradas com muito carinho pelos nossos jovens artistas, hoje mais do que nunca, as estrelas das artes.

Ar, água, luz... Momentos.

Leia mais Menos
imagem

Para satisfação de todos, estes filhos da luz encontram-se e convivem na Saint Siméon Farm, onde a generosa Mãe Toutain, desde 1825, não conseguia pensar noutra forma de ser uma agradável anfitriã do que os mimar generosamente e oferecer-lhes todas as receitas deliciosas de que só ela conhecia o segredo, e que fez a reputação da sua cozinha normanda.

O pequeno grupo de pintores, ansiando pela natureza e obcecados pelo mar e pelas suas paisagens, reuniam-se nesta acolhedora estalagem.

Havia Boudin, Jongkind, Corot, Courbet, Bazille, Monet e muitos outros talentos que foram esquecidos, Daubigny, Dubourg, Isabey, Lebourg, Troyon... A lista continua! Felizes e bem alimentados, as suas ânsias saciadas com deliciosas sidras e outros Calvados frutados, os artistas criavam várias obras, uma tão bela como a outra. O resultado foi uma produção extensiva, que pode ser encontrada hoje nos museus mais requintados de França (Museu de Orsay, Museu Eugène Boudin, Museu Malraux) ou durante partilhas de bens nas maiores casas de leilões do mundo.

Muitas vezes, os jovens e pobres artistas deixavam uma peça da sua obra com a Mãe Toutain para pagar a sua estadia... Desde esta altura, era possível reunir uma vasta coleção de trabalhos, transmitindo a riqueza desses inesquecíveis encontros.

Quem era a afável "Mãe Toutain", a responsável naquela altura? Um cânone da sua época? Talvez. Uma madrinha? Claro! Mas só com a jovialidade de uma querida amiga... Ela era uma vigilante com uma personalidade colorida, rápida e direta, com um lado suave e "maternal" em relação a estes jovens, caprichosos e frequentemente cativantes rapazes... eles eram os seus meninos mimados. Os "seus" jovens artistas, com quem ela se preocupava bastante, reuniam-se à volta de mesas encantadoras e toscas, felizes com as delícias normandas, que podemos imaginar a ser servidas em porções generosas...

"Vá lá Rose! Vai buscar sidra. Rápido! Estes cavalheiros estão cheios de sede!" E Rose corria até à adega com as suas filas de enormes barris com a mistura dourada...

Leia mais Menos
imagem La route sous la neige - Claude Monet

A grandiosa estalagem ainda se ergue sobre o seu Estuário...

Uma passagem do famoso poeta, natural de Honfleur, Lucie Delarue Mardrus, que usava as palavras da mesma forma que outros usavam toques de tons pastel, dá uma ideia mais abrangente da estalagem...

"Há algo de maravilhoso no ar em Côte de Grâce. É que o Estuário está ali, com as suas cores do arco-íris. É possível vê-lo no final de um grande vale, entre os ramos escuros das magníficas árvores; existem veleiros no Estuário, pores-do-sol, um sobre o outro à distância durante a maré baixa na lama lustrosa, admirável, local; uma beleza que se aproxima dos brancos e dos rosas da primavera, dos outonos reais, despojados de folhas, com flores murchas nos terrenos montanhosos por onde passamos; tudo num cenário de nuvens circulares e de céus azuis uniformes, neblina, chuva..."

Também podemos considerar as palavras escritas por Monet ao seu amigo Bazille: "Todos os dias descubro coisas novas que são mais belas do que as do dia anterior. É o suficiente para ficarmos atordoados".

Leia mais Menos
imagem

Hoje, tal como no passado, a magnífica Saint Siméon Farm mantém a sua posição de prestígio, continuando a cuidar do seu Estuário, como se se erguesse para obter um melhor vislumbre da água e do ar que se misturarão sob os nossos olhares enlevados por toda a eternidade.

As várias estruturas de edifícios permanecem no local, com a própria quinta nos reflexos verdes-azulados do seu revestimento de ardósia, o pavilhão ornamentado com madeira, partilhado outrora por pessoas e animais, e a maravilhosa casa de campo com teto de colmo à sua frente, sob o seu chapéu de palha. Uma vez pintada por Monet, foi também testemunha ocular das "reuniões de Saint Siméon", quando Boudin, um filho do país, treinou Monet e outros do seu pequeno grupo durante as intermináveis discussões, e quando estes mesmos homens bebiam brandy de maçã durante os intervalos da pintura.

Os belos quartos existem ainda hoje, o que significa que pode dormir no quarto que pertenceu a Monet (n.º 22) ou naquele que serviu de estúdio a Corot (n.º 19). Ambos os artistas estavam particularmente ligados aos seus quartos. O de Monet era repleto de luz, que entrava por uma janela e saía pela outra, enquanto o de Corot, que era o seu local de trabalho e de descanso, tinha uma janela enorme com mísula que lhe permitia monitorizar todas as pequenas mudanças nos tons deste adorado Estuário... Uma grande fonte de inspiração para estes artistas, a estadia na estalagem é a maneira perfeita para seguir os seus passos, deixando-se deslumbrar e ser mimado por uma experiência única...

No local, desfrute de uma aula de pintura com um artista natural de Honfleur, apaixonado pelo brilho sublime deste pequeno porto meticulosamente preservado.

Leia mais Menos
imagem

Reserve algum tempo da sua atarefada agenda para se presentear com umas férias sossegadas nesta quinta intemporal, aquecida por uma luminosidade incomparável que tantos olhos, claros e escuros, admiraram na sua forma mais pura...

Leia mais Menos